Em anos de experiência com cosmiatria, percebi que há muito pouco de novo sobre a Toxina Botulínica. Ao que percebo, o maior desafio é customizar o plano de tratamento para cada paciente de acordo com suas expectativas, pois o resultado da aplicação de Toxina Botulínica pode variar de acordo com fatores como:

  • Número de pontos
  • Dose
  • Profundidade e difusão
  • Plano de aplicação

Devemos considerar também que existe mais de uma maneira correta de aplicar, consequentemente os resultados também são diferentes.

Atualmente o mundo da cosmiatria está voltado à combinação da técnica clássica com a microtoxina em alguns pontos da face, como uma maneira mais natural de se obter o efeito lifting. A técnica permite a utilização de uma dosagem menor, também com duração menor (2-3 meses).
Existem estudos na utilização de doses mais altas a fim de prolongar a durabilidade mas nada comprovado ainda.

Mesmo estudando e aprendendo diferentes técnicas, durante anos sempre fiz a aplicação de Toxina a cada 4 a 6 meses e percebi nos últimos anos que a maior novidade é brincar com o plano de aplicação de acordo com o padrão de contração, ajustar a profundidade para bloquear menos a musculatura e não dar efeito “congelado”, agregando a microtoxina em locais como testa e pescoço.

O resultado? Tem sido muito natural, duradouro e interessante.