Os cabelos não servem só como um aliado estético (dando forma e valorizando o rosto) mas também funcionam como um isolante térmico, protegendo a cabeça das radiações solares e da abrasão mecânica. Também podem ser um indicativo de diversas doenças que se manifestam alterando sua estrutura.
A haste do cabelo é a parte do fio que emerge do couro cabeludo. Podemos dividir o cabelo em três partes: cutícula, córtex e medula.

Cutícula

A cutícula é a camada protetora externa que recobre o córtex de cada fio de cabelo humano e é responsável por seu brilho e textura. Uma cutícula em estado normal é suave, permite o reflexo da luz e limita a fricção entre os fios capilares.
Ela é composta de 6 a 8 camadas de células planas sobrepostas e coberta por uma camada invisível de lipídios resistente à água, que age como um hidratante condicionador natural. Os cientistas a chamam camada de gordura. Essa camada ácida de lipídios é o que dá naturalmente aos fios uma textura sedosa e macia ao toque.

Córtex

O córtex é responsável por quase todas as propriedades que definem e fazem único cada cabelo humano, como a forma, a cor, a resistência, a elasticidade e a quantidade natural de umidade dos fios. Ele é mais resistente que o aço, e pode se alongar até 30% sem grandes danos significativos. Entretanto, assim como a cutícula, necessita de cuidados e sofre pelos mesmos vilões já mencionados, como químicos, excesso de calor e fricção. Como esta camada do fio é mais interna, seus danos são piores quando ocorrem, geralmente rompendo a capacidade do córtex de manter a umidade (hidratação) dos fios e deixando o cabelo ressecado e frágil.

Medula

É a parte central do fio. Há fios de cabelos que não possuem medula, não modificando em nada sua estrutura. O canal da medula pode estar vazio ou preenchido com queratina esponjosa. Ainda não foi determinada a função desta região. Contudo estudos recentes apontam as pesquisas para uma associação da medula com o primeiro instante da fase de germinação do fio onde a medula serviria como um “direcionador” do novo fio em direção ao poro.

Como se forma a cor do cabelo

Você já se perguntou alguma vez qual a composição que forma a cor natural do seu cabelo? A resposta é a melanina, o mesmo pigmento que dá cor à nossa pele. Ela é produzida no interior do folículo de cabelo e se distribui ao longo do fio, nem sempre uniformemente, causando as “mechas naturais”. Existem 2 subtipos distintos de melanina que se combinam em diferentes proporções, o que explica o porquê de tantas variedades de cor. O primeiro subtipo é a eumelanina, responsável pelos pigmentos pretos e castanhos escuros. O segundo é a feomelanina, que forma quase exclusivamente o cabelo ruivo. A mescla dos dois e a menor quantidade dos mesmos causa os cabelos castanhos claros, loiros e intermediários.

Os fios de cabelos brancos

A genética desempenha o papel mais importante na definição do tempo inicial e quantidade dos fios de cabelo brancos. Mas qual é sua causa? Com o passar do tempo, as células que produzem o pigmento de melanina diminuem sua atividade, produzindo cada vez menos quantidade; e se extingue a renovação de células pigmentadoras. Aos 50 anos, uma média de 50% das pessoas possui 50% do cabelo branco. É importante mencionar que a falta de cor do cabelo não é um sinônimo de danos, os fios também vão perdendo seu diâmetro por outras alterações celulares com a idade, o que os deixa mais finos e frágeis.

Como saber se o cabelo precisa de hidratação, nutrição ou reconstrução?

Quando hidratar?

A hidratação é o ponto de partida para quem quer tratar os fios: “o cabelo danificado deve ser preparado para receber os nutrientes necessários. A hidratação é a melhor forma”. Esse método nada mais é que a reposição de água que os fios perdem por conta da agressão sofrida por químicas, colorações e até mesmo shampoos e condicionadores. O cabelo perde sua resistência hídrica natural e fica ressecado e quebradiço. O cabelo humano é considerado um tecido morto, logo, a parte viva se encontra no bulbo na derme do couro cabeludo. Além disso, é suscetível a questões alimentares, ou seja, se a pessoa tiver uma boa alimentação ou consumir muita água, estará beneficiando as células do bulbo e obterá cabelos mais fortes e saudáveis. Entretanto, isso não ocorre em todo o comprimento dos fios – e quanto maior for o cabelo, aumenta a dificuldade. Sendo assim, é preciso hidratar a “parte morta” com cremes e cosméticos que repõem a água perdida aos cabelos.

Assim, pela própria composição do fio do cabelo, dá pra notar que ele precisa de hidratação, de nutrição e de reconstrução, só que esses necessidades variam de cabelo para cabelo, e não só isso, pois um cabelo que hoje precisa de muita hidratação pode, daqui um mês, precisar de mais reconstrução ou nutrição por exemplo.

Muita gente acha que só precisa tratar o cabelo se fizer alguma química capilar, e isso está errado, pois os fios perdem nutrientes todos os dias em decorrência de processos mecânicos (escova, chapinha, etc), da exposição solar, do vento, das mudanças climáticas, dos banhos de mar, dos banhos de piscina e muitas outras coisas.

Ou seja, o cabelo perde nutrientes o tempo todo, e é preciso repô-los, em maior ou menor grau.

Quando nutrir?

Já a nutrição – que é interligada à hidratação – trata-se da reposição de nutrientes. No caso dos cabelos, é utilizado para repor os lipídeos naturalmente presentes nos cabelos com a função de impermeabilizá-los, além de deixá-los macios, flexíveis e brilhantes. A produção das glândulas sebáceas somada à proteção das glândulas sudoríparas, e mais os resíduos da desintegração da epiderme, compõem o manto hidrolipídico – um fator de proteção a pele do couro cabeludo. A principal tarefa dos lipídeos é formar uma camada de proteção nos fios. Como os produtos nutricosméticos possuem efeito demorado, é indicado usá-los antes da hidratação, para garantir que os resultados sejam eficazes durante os outros processos.

Para identificar do que o seu cabelo precisa, olhe pra ele com atenção, e com papel e caneta na mão! Além de olhar, pegue nos fios, passe os dedos nas mechas com suavidade e observe o que “ele está dizendo e pedindo”. Sim, cabelo não fala mas diz muita coisa, então trate de “ler” os sinais que ele manda.

Ele está ressecado,  sem brilho, poroso, sem vida, sem balanço, desbotado, elástico, frágil, caindo, quebrando, com frizz, crescendo direitinho, secando rápido, embaraçando fácil, com caspa, muito volumoso ou perdeu volume, ficou muito oleoso?

Em suma, a nutrição é uma forma de manter a hidratação nos cabelos e outros nutrientes presentes. Produtos que contém manteiga de karité, manteiga de cacau, óleo de argan, óleo de coco, entre outros, são ricos em lipídeos.

Quando reconstruir?

A reconstrução nada mais é que a reposição de proteínas. O cabelo só estará preparado para a reconstrução depois da hidratação correta. Apontada como a etapa principal, a queratina exerce função estrutural, isto é, fornece rigidez e consistência ao tecido que forma a estrutura do fio. A estrutura do cabelo pode ser danificada pelos processos químicos e uso frequente de escova e chapinha, resultando em pequenas fissuras no fio capilar. Para amenizar esse problemas, geralmente a reconstrução é recomendada após a hidratação e nutrição.

Seria bom fazer um questionário. Você faz ou fez alguma química capilar? Descolore? Pinta? Faz luzes ou mechas? Fez ou faz? Progressiva, relaxamento, alisamento ou similares (plástica dos fios, botox,  etc)? Quais ativos você usou pra relaxar, alisar, fazer progressiva ou qualquer outra escova?

Anote tudo e analise agora a estrutura e as características do seu cabelo. Ele é liso, ondulado, indefinido, cacheado, afro, fino, grosso, oleoso ou seco?

E quais são os produtos que você usa? Eles são específicos para o seu tipo de cabelo? Quais são os ativos predominantes nesses produtos?

Tá tudo anotado? Calma que tem mais! Vamos analisar a sua rotina… Você passa o dia numa sala com ar condicionado ou trabalha exposta ao sol? Usa muito secador e muita chapinha? É frequentadora de praia ou de piscina?

Está na hora de reconstruir

A queratina em excesso pode ser prejudicial se aplicada em grandes quantidades. Quando a pessoa faz uso da mesma sem necessidade, as madeixas tendem a ficar saturadas e quebradiças. A reconstrução pode ser realizada no cabelo com produtos que contenham ingredientes como queratina hidrolisada, proteína do trigo hidrolisada, proteína de soja hidrolisada e aminoácidos – que são os formadores das proteínas, como também a cisteína e arginina.

De forma muito resumida, só pra vocês terem um parâmetro, a regra é essa:

  • O cabelo está sem brilho e ressecado? Então ele precisa de hidratação!
  • O cabelo está com frizz, volumoso, desalinhado ou poroso? Ele tá pedindo por nutrição!
  • O cabelo  está fino, frágil, quebradiço e “elástico”? Ele grita por reconstrução!

Espero que com essas noções você possa conhecer seu cabelo de uma forma mais ampla e possa ter cuidados certos e aplicá-los corretamente. Além dessas orientações deixo também alguma patologias que acometem o cabelo e o couro cabeludo, para que possam reconhecê-los e procurar um dermatologista e começar o tratamento o mais cedo possível.

Patologias:

  • Dermatite Seborreica
  • Caspa
  • Alopécia
  • Tricoptilose
  • Trichonodosis
  • Tínea Capitis
  • Eczema ou Dermatite
  • Pitiríase Versicolor
  • Pediculose
  • Foliculite