A Psoríase atinge 190 milhões de pessoas no mundo e se manifesta principalmente entre os  20 e 40 anos.
É necessário um estudo detalhado do histórico médico da pessoa e de seus familiares para detectar possíveis casos da doença. A Dra. Gabriela Casabona, dermatologista do Hospital Samaritano de São Paulo, tira dúvidas sobre a doença.

1. Quais as causas da Psoríase?

Como não se sabe a causa exata ainda não há um tratamento que cure. A Psoríase é uma das doenças de pele que pode apresentar o fenômeno koebner, que se caracteriza pelo aparecimento de lesões na pele. É uma doença em locais de trauma.

2. Quais os outros sintomas da doença?

Ela causa inflamações nas articulações, escamações no couro cabeludo e formação de placas avermelhadas na pele, especialmente nos joelhos, cotovelos e costas.

3. A Psoríase é contagiosa?

A Psoríase não é contagiosa, pois não há causa que possa ser contaminante. Não é infeccioso e sim inflamatório.

4. A Psoríase é hereditária?

Psoríase é uma doença inflamatória que tem herança genética e está muito relacionada com fatores desencadeantes externos e emocionais.

5. O tabagismo é fator de risco para a Psoríase?

O fumo piora muito os quadros de Psoríase principalmente as lesões palmoplantar (que afeta as palmas das mãos e as plantas dos pés).

6. Como devemos tratar a Psoríase?

O tratamento pode ser feito com cremes, até biológicos injetáveis. Hoje, há algumas tecnologias que também podem ser adjuvantes, como o Excimer Laser, método a laser que tem um comprimento de onda parecido com os raios UVB que melhoram a Psoríase por um mecanismo de modulação inflamatória, assim com a Puva, que é a exposição aos raios UVA.

7. Quanto tempo dura o tratamento?

O tempo de tratamento para melhora depende muito do grau e extensão das lesões. Os locais de trauma como cotovelo, mãos, unhas e pés são de difícil tratamento, pois sofrem um fenômeno que se chama Koebner: onde há trauma pode aparecer lesões.